Fale Conosco

Enviando...

Dando continuidade a parceria firmada entre a Guarda Civil Municipal de Salvador (GCMS) e a Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), através de um termo de cooperação técnica, o Curso de Krav Magá da FBKMK (Federação Brasileira de Krav Magá e Kapap) é ofertado gratuitamente para mulheres, no Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares (CRLV), com noções de defesa pessoal, com o instrutor e GCM Zenilton Marcelino, ou Branco, como é mais conhecido, de primeiros socorros com o enfermeiro e GCM Dário Teles, além da apresentação da GCMS pelo GCM Ronaldo Silva, e acompanhamento psicológico pelo próprio Centro. 

O curso que acontece em quatro dias, com carga horária de 16h, é passado questões sobre como sair de situações de agressão sem entrar em luta corporal, e participam mulheres, independente se já sofreram ou não qualquer tipo de violência. Uma das alunas, que não quis se identificar, agradece pelo trabalho realizado pelos instrutores da GCMS e orientações. “Isso é muito importante para a sociedade e principalmente para nós mulheres que passamos pelo processo de agressão doméstica. Graças a esse apoio, estou conseguindo superar uma fase ruim da minha vida e tenho a certeza que se algum dia for vitima de violência novamente, já consigo me defender”, descreve. 

O Krav Magá é um sistema de defesa pessoal usado  pelo exército israelense, que tem a função primordial de proteção à vida, desenvolve comportamento preventivo e dá dicas de segurança. “Além de orientações de prevenção à violência, essa arte marcial aguça os sentidos para o entendimento de comportamentos sociais indesejados. O método é reconhecido em diversos países pela eficiência”, salienta o instrutor Branco. 

Outra aluna faz parte do grupo que não sofreu nenhum tipo de violência, mas se inscreveu no curso para conhecer os seus limites e para se sentir segura caso venha precisar se defender em algum momento. “Me surpreendi positivamente com o curso. Superou as minhas expectativas, pois não só aprendi me defender, mas também como me prevenir, com várias dicas dadas pelo instrutor. Agradeço a oportunidade e a forma como fui acolhida pelas instituições do Loreta Valadares, como da Guarda Civil, que pude ter mais aproximação e melhorou muito em meu conceito”, enfatiza.  

Segundo o Coordenado de Prevenção a Violência André Rocha,  esse curso faz parte de uma política adotada pela GCMS na proteção à vida dos cidadãos soteropolitanos. “Todos juntos em uma só corrente, tentado evitar a violência contra as mulheres”, ressalta.